Outros caminhos da noname

Outros caminhos da noname

31/12/2013

385 - Mia Couto



Há mulheres que procuram um homem que lhes abra o mundo
Outras buscam um que as tire do mundo
A maior parte, porém, acaba se unindo a alguém que lhes tira o mundo

Mia Couto


30/12/2013

384 - Feliz Ano Novo




Dentro de algumas horas, um Ano Novo vai chegar a esta estação.

Se não puderes ser a maquinista, sê o seu mais divertido passageiro.

Procura um lugar próximo da janela desfruta cada uma das paisagens que o tempo te oferecer, com o prazer de quem realiza a primeira viagem.

Não te assustes com os abismos, nem com as curvas que não te deixam ver os caminhos que estão por vir.

Procura gozar a viagem da vida, observando cada arbusto, cada riacho, beirais de estrada e tons mutantes de paisagem.

Desdobra o mapa e planeia roteiros.

Presta atenção em cada ponto de paragem, e fica atenta/o ao apito da partida.

E quando decidires descer na estação onde a esperança te acenou não hesites.

Desembarca nela os teus sonhos... 


Desejo que a tua viagem pelos dias do próximo ano, seja de

PRIMEIRA CLASSE

Feliz Ano Novo!

*****
2013.12.30
nn(in)metamorphosis 






 

24/12/2013

382 - Natal 2013


Festas Felizes

Para Tu  e Tu 
e para Tu também
desejo sincero, que o T(e)u Natal seja de 365 dias 

Abreijo da noname




19/12/2013

378 -Chuva


E se me desnudas em lágrimas, chuva
é porque ainda não sabes
das flores que encomendei para ti, à Primavera


18/12/2013

377 - Martha Medeiros


Sou uma mulher madura
Que às vezes anda de balanço
Sou uma criança insegura
Que às vezes usa salto alto
Sou uma mulher que balança
Sou uma criança que atura


Martha Medeiros




10/12/2013

375 - Presas por fios


Tentações presas por fios
são frágeis
não galopam, cansam depressa
deixam lembranças em branco


03/12/2013

371 - Gosto...


Simples  e directo
Gosto de ti!
Gaguejo no pensamento e coro na alma
Simples e verdadeiro

01/12/2013

370 - Permutas


Há muito que deixei de pensar o que sentem
e a sentir tudo o que não pensam


30/11/2013

369 - Senescência


Tu vestes palavras impermeáveis para te defenderes do frio dos outros
Eu faço delas a minha lenha




17/11/2013

361 - Ser ou não ser


A GRANDE QUESTÃO:
Se a felicidade vem das coisas pequenas
porque é que o meu salário não me faz feliz?




19/10/2013

356 - Gramapaixonada


Estou apaixonada pela gramática, que põe
virgulas na boca, verbos nas mãos 
reticências na respiração
metáforas nos olhos

Estou mesmo caídinha


11/10/2013

354 - Martha Medeiros


O pensamento é o único lugar
onde ainda estamos seguros
onde a nossa loucura é permitida
e todos os nossos actos são inocentes

Martha Medeiros




06/10/2013

353 - Só(l)


Só(l) quando ele nasce
se despe a terra das vestes sombrias
 e aquecem as almas frias


05/10/2013

352 - Passeios


Gosto de passeios. 
Na areia, na costa, nas costas,no passeio
na baixa, nos cabelos, nas histórias, na pele


04/10/2013

351 -Vacilante


Vacilante, equilibro-me 
entre mim e eu
entre mim e o outro
entre mim e aquilo em que acredito


01/10/2013

349 - Clarice Lispector


Sim, minha força está na solidão. 
Não tenho medo nem de chuvas tempestivas nem das grandes ventanias soltas, 
pois eu também sou o escuro da noite

Clarice Lispector


348 - Beijos


Nas ondas do beijo moram versos que não precisam rimar


29/09/2013

347 - AL


Vida em contra-tempo

Ainda era Verão!...
Pouco desperto e muito ensonado,
ainda mal tinha acabado
de dormir o último sono,
sem eu dar conta da ocasião,
lesto entrou o Outono.

Já nas árvores as folhas amarelecem
e o sol encurta a luz do dia;
os dias, pouco a pouco, arrefecem
e o Outono é nossa companhia.

A terra, os altos céus
e as criaturas viventes
tomam-se de melancolia.
As nuvens fazem-se véus
que recobrem, silentes,
o que no Verão era alegria.

O olhar vago se perde. É Outono,
o entardecer do tempo.
Parece a vida em contra-tempo!
Mas tudo voltará,
em movimento de retorno,
e a vida ressurgirá.
AL

Recebi o poema de:sepolavlis08

18/09/2013

345 - Sophia de Mello Breyner


Noites sem nome, do tempo desligadas,
Solidão mais pura do que o fogo e a água,
Silêncio altíssimo e brilhante.

As imagens vivem e vão cantando libertadas
E no secreto murmurar de cada instante
Colhi a absolvição de toda a mágoa.
  
Sophia de Mello Breyner Andresen